Aplicações e Eficácia

A Hipnose aplica-se a um vasto campo de actividades do ser humano, contribuindo com sucesso para situações como a elevação da auto-estima, motivação, mudança de hábitos, modificação de problemas comportamentais em adultos e crianças, preparação de entrevistas de emprego, testes e exames escolares e mesmo na preparação para intervenções cirúrgicas.
No âmbito terapêutico, a Hipnose contribui também para o tratamento de ansiedade, ataques de pânico, depressão, stress, medos e fobias, sendo uma boa ferramenta para construção de convicções saudáveis, como controlo de peso, cessação tabágica e no alívio da dor.

A Hipnoterapia tem-se mostrado muito eficaz desde que o sujeito (individuo que se sujeita à técnica) quiser realmente alterar os seus comportamentos e envolver-se no processo. Não existe uma cura mágica ou milagrosa, pois a Hipnoterapia é uma ferramenta que permite facilitar o processo de cura, não é a cura em si.
Mas não basta ter só vontade, o sujeito terá de se comprometer com o seu “trabalho pessoal”, respeitando as recomendações do terapeuta, ou coach, efectuando os respectivos exercícios de relaxamento ou de visualização que são fundamentais para a eficácia desta abordagem terapêutica, cujas vantagens, entre outras, são:

  • Aumenta a motivação do sujeito para levar a cabo as tarefas terapêuticas conducentes á mudança;
  • Aumenta a eficácia e eficiência do tratamento;
  • Fomenta o auto controlo;
  • Facilita a aplicação de sugestões para outros problemas da vida diária;
  • Ajuda a gerar expectativas de auto eficiência.

A Hipnoterapia pode ser aplicada para melhorar, ultrapassar ou controlar certos problemas ou situações, tais como:HipnoGastri

  • Relaxamento (situações de stress e ansiedade)
  • Ansiedade de performance (desportiva e profissional)
  • Ataques de pânico
  • Assertividade (treino para a assertividade)
  • Medos e fobias (de animais, de voar, etc)
  • Tabagismo (deixar de fumar, controlo do hábito…)
  • Síndrome do Cólon Irritável
  • Síndrome de Tourette
  • Gravidez e Parto
  • Controlo da dor
  • Problemas dermatológicos (eczema, psoríase, dermatite atópica)
  • Hipertensão
  • Alívio dos sintomas de asma
  • Fortalecimento do ego (perda, luto, separação, motivação)
  • Distúrbios de sono (insónias (primárias, secundárias…), sonhos recorrentes, pesadelos, enurese nocturna (perda de urina)).
  • Controlo de peso (perca de peso, obesidade, bulimia, anorexia)
  • Disfunções psicossexuais (impotência, ejaculação precoce, frigidez)
  • Gaguejar (ensino e prática de técnicas de relaxamento e controle específicas)
  • Roncopatia (ressonar)
  • Bruxismo (cerrar, ranger os dentes)
  • Roer as unhas
  • Hiper-hidrose (sudorese exagerada generalizada ou localizada)
  • Visualização criativa (sistema imunitário, metabolismo, funcionamento cardíaco)
  • Deficit de atenção/Hiperactividade

e outras patologias, sintomas ou situações relacionadas com o sistema nervoso ou estado psicológico

Alguns artigos relacionados

Ensaios de controlo aleatórios apresentaram provas convincentes de que terapias como a hipnose e outras técnicas de relaxamento podem aliviar a ansiedade, perturbações de pânico e insónias.”
Organização Mundial de Saúde – 16.Maio.2002 (artigo completo em inglês)

A hipnoterapia pode ser uma uma forma eficaz de intervenção, especialmente em combinação com outras técnicas de treino para a assertividade
Susan D. Devoge, Ph.D. (Paper presented at the Annual Meeting of the American Psychological Association – San Francisco, California, August 1977) (artigo completo em inglês)

“Um estudo controlado, porém de caso único é apresentado por Mellinger (1992). Este autor comprova a eficácia da hipnose (utilizando-a como complemento a outras técnicas) no tratamento dos problemas agorafóbicos de uma pessoa que também apresenta medo de voar. Mellinger refere que a hipnose pode ser muito útil naqueles casos em que ansiedade antecipatória tira êxito a outras técnicas.”
Eduardo Augusto Remor
(Psicólogo, Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental dos transtornos de ansiedade e depressão pelo Centro Clínico Bertrand Russel (Madrid)) (artigo completo)

Fumadores que participaram numa sessão de hipnoterapia apresentam melhores resultados como não fumadores durante 6 meses, comparados com os que usaram apenas substitutos de nicotina
Estudo apresentado na CHEST 2007 – 73rd annual international scientific assembly of the American College of Chest Physicians ACCP)
(artigo completo em inglês – Medical News – 23/10/2007)

Segundo o professor Whorwell (professor de medicina e gastroenterologia da Universidade de Manchester e Director do South Manchester Functional Bowel Service), embora sendo a hipnoterapia uma forma trabalhosa de tratamento tem tido um sucesso de 70%, pois é extremamente eficaz na SCI em concreto, para além de ser uma alternativa mais económica comparativamente com os caros medicamentos existentes no mercado.” (in Science Daily Sept.2005, em inglês)

Uma vez que os sintomas de ST são sensíveis a intervenções de auto-regulação do indivíduo, tais como a hipnose, propomos que o treino da atenção possa ser usado tanto para controlar como para melhor compreender a doença.”
Raz A, Keller S, Norman K, Senechal D. (Vancouver Coastal Health Research Institute) (artigo completo em inglês)

Na gravidez: É uma técnica muito útil para «trabalhar» medos, ansiedades e angústias comuns nesta fase da vida. A grávida é ajudada a entrar num estado de profunda descontracção e incentivada a lidar com o que mais a atemoriza. No parto: Ajuda a controlar a dor, relaxando os músculos e evitando a tensão que provoca as sensações dolorosas. Tudo se passa a nível mental. O corpo está relaxado e o cérebro está absolutamente concentrado para que não existam medos ou tensões. No Reino Unido, a hipnose é uma técnica aconselhada por muitas parteiras, a par de outras como a aromaterapia, a massagem e a acupunctura. Os seus benefícios começam a ser comprovados cientificamente: uma revisão de estudos sobre terapias alternativas no parto publicada no Cochrane Review, em Junho de 2006, reconheceu os benefícios da hipnose no alívio das dores.”
in Revista Pais e Filhos – Agosto 2007

Nos estudos efectuados o Tai chi, yoga, hipnose e relaxamento progressivo foram significativamente associados à redução da dor (dor não maligna).
in Pain Medicine May/June 2007 sobre o estudo efectuado por Natalia E. Morone, MD, MSc,**Department of Medicine, Division of General Internal Medicine and Carol M. Greco, PhDDepartment of Psychiatry, University of Pittsburgh, USA (artigo completo em inglês)

“…medidas não farmacológicas como o relaxamento progressivo ou a hipnose podem ser aplicadas a condições não malignas que provoquem dor.”
American Academy of Pain Medicine – June 20, 1998.

Para pedido de informações ou marcação de sessões, por favor utilize o formulário abaixo

Contacto

 

Verificação anti-spam

Top